Novos arquivos abertos pelo Vaticano pode esclarecer se o papa Pio XII colaborou com os nazista.



O papa Pio XII, que liderou a Igreja Católica entre 1939 e 1958, é criticado há muito tempo por seu silêncio público durante o Holocausto. Os críticos argumentaram que ele também não fez nada nos bastidores para deter as atrocidades nazistas; apoiadores alegaram que ele secretamente ordenou que católicos de toda a Europa, como o jovem seminarista Wojtyla, salvassem milhares de judeus.


Agora, o Vaticano está abrindo seus arquivos para pesquisadores, que esperam resolver a questão para sempre.


"A Igreja não tem medo da história", disse o papa Francisco no ano passado, quando anunciou que os arquivos seriam abertos.

Dependendo do que eles revelam, também poderia parar a canonização de Pio XII como um santo. Em 2009, ele foi declarado "venerável" pelo papa emérito Bento XVI, mas o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos e vários grupos judeus pediram a liberação dos " materiais de guerra " sobre o papa. Bento XVI iniciou o processo de preparação de mais de um milhão de documentos para liberação, que Francisco já concluiu.

O cardeal Angelo Becciu, que lidera o escritório que investiga possíveis santidades, disse ao Washington Post no ano passado que fatos históricos podem ditar "se é apropriado ou não fazer uma canonização". Três dos quatro papas após Pio XII que morreram foram canonizados.


Durante a Segunda Guerra Mundial, o Vaticano manteve uma postura estrita de neutralidade. O historiador da Universidade Brown, David Kertzer, disse ao The Post que, enquanto Pio XII "lamentava a perda de vidas de uma maneira geral", ele "nunca falava diretamente sobre o Holocausto".


Em 1963, um dramaturgo alemão escreveu uma peça representando o pontífice como um covarde moral. Então, no livro de 1999, “ O Papa de Hitler: a história secreta de Pio XII ”, o jornalista John Cornwell também o acusou de ser anti-semita e de colaborar ativamente com os nazistas.


Outros historiadores, como Martin Gilbert, recuaram contra essa caracterização, alegando que Pio XII ajudou os judeus nos bastidores.


De fato, Gilbert afirma que em Roma quase 5.000 judeus foram escondidos em mosteiros e conventos católicos, incluindo várias centenas no próprio Vaticano. No norte da Itália, outros milhares foram escondidos na residência de verão do papa; tudo isso aconteceu na direção do papa, segundo Gilbert.

De qualquer form, ainda não se sabe se os arquivos conterão evidências que vinculam Pio XII às boas obras de outros católicos - exonerando ou condenando-o. Kertzer está agora em Roma com mais de 150 outros estudiosos para começar a ler os arquivos. Autoridades do Vaticano disseram à Associated Press que levará anos, não meses ou dias, para que novas conclusões sejam tiradas.


Fontes: The Guardian e CNN

Imagem: Domínio Público, via Wikimedia Commons

0 visualização

Todas as imagens de livros, filmes, séries, jogos,  ou qualquer criações visual autoral são de seus respectivos proprietários.

Copyright Máquina dos Tempos. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do maquinadostempos.com. Para reproduzir qualquer conteúdo, entre em contato conosco: maquinadostempos@hotmail.com

O Máquina dos Tempos traz para você as histórias que moldaram o mundo através dos tempos. Com compromisso ético e científico, pretendemos fazer a análise e o debate histórico algo divertido e de amplo alcance. Por meio de um canal livre e aberto, entre diversos historiadores e historiadoras do Brasil.

Receba nossas atualizações

Preencha o formulário com seu e-mail e nome e receba e seja notificado sempre que o Máquina dos Tempos lançar novos conteúdos.

SIGA-NOS

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Twitter - Círculo Branco
  • Spotify - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
Logo - Máquina dos Tempos
Logo - Máquina dos Tempos