Terríveis epidemias: entre a praga e a cólera

Atualizado: Jun 20

A história e a nossa relação com as epidemias ao longo dela

Peste bubônica, gripe espanhola, cólera ou AIDS... esses termos nos fazem estremecer com a menção deles, porque ressoam em nós como sinônimos de morte brutal.


Local, essas epidemias podem se transformar em pandemias, com um escopo intercontinental ou global. Elas se tornaram cada vez mais mortais ao longo da história, facilitadas pela densificação de territórios e pelo deslocamento de populações, deixando traços duradouros nos corpos, mentes e costumes.


Atualmente, não há como fugir do medo comum do novo Coronavírus - a COVID-19 (do inglês Coronavirus Disease 2019) -, que pode afetar seus pulmões e vias aéreas. Porém, nossa relação com doenças é muito mais distante do que possa parecer. A primeira epidemia da qual ainda temos traços é a praga de Atenas, que devastou a Grécia de 430 a 426 aC. - e teria causado a morte de dezenas de milhares de pessoas, incluindo o estrategista Péricles. Segundo Tucídides,


a catástrofe foi tão avassaladora que os homens, sem saber o que aconteceria ao lado deles, ficaram indiferentes a todas as regras de religião ou lei.

Essa epidemia permanece um mistério para os cientistas, que continuam buscando a sua causa. A princípio, pensávamos que era tifo, mas pesquisas recentes se inclinam para uma febre tifoide... Seus sintomas incluíram febre, sede, garganta e língua ensanguentadas e peles vermelhas.


Uma coisa é certa: a história das epidemias continua sendo escrita.


Hanseníase (século XI)

Clérigos com hanseníase recebendo instruções de um bispo, 1360-1375 (Fonte: The British Library).

Embora existisse por séculos, a hanseníase tornou-se uma pandemia na Europa na Idade Média. A hanseníase é causada por uma infecção crônica da bactéria Mycobacterium leprae.


A hanseníase causa lesões na pele que podem danificar permanentemente a pele, nervos, olhos e membros. Em sua forma extrema, a doença pode causar perda de dedos das mãos e dos pés, gangrena, cegueira, colapso do nariz, ulcerações e enfraquecimento da estrutura esquelética.


Alguns acreditavam que era um castigo de Deus pelo pecado, enquanto outros viam o sofrimento dos leprosos como semelhante ao sofrimento de Cristo. A hanseníase continua atingindo dezenas de milhares de pessoas por ano e pode ser fatal se não for tratada.


Peste Negra (1347-1351)

O Milagre da Arca no Templo de Dagon, pelo artista francês Nicolas Poussin.

A Peste Negra, também conhecida como Pestilência ou Grande Peste, foi uma praga bubônica devastadora que atingiu a Europa e a Ásia no século XIV. Estima-se que tenha matado entre 30 a 60% da população da Europa e cerca de 75 a 200 milhões de pessoas na Eurásia.


Pensa-se que a epidemia tenha se originado nas planícies secas da Ásia Central ou no Leste da Ásia, onde viajou ao longo da Rota da Seda para chegar à Crimeia. De lá, provavelmente foi transportada por pulgas que viviam em ratos que viajavam em navios mercantes pelo Mediterrâneo e pela Europa. Em outubro de 1347, 12 navios atracaram no porto siciliano de Messina, com passageiros quase mortos ou cobertos de furúnculos negros que escorriam sangue e pus. Outros sintomas incluíram febre, calafrios, vômitos, diarreia, dores, dor - e morte. Após 6 a 10 dias de infecção e doença, 80% das pessoas infectadas morreram.


A praga mudou o curso da história da Europa. Acreditando que era uma espécie de castigo divino, alguns atacaram vários grupos, como judeus, frades, estrangeiros, mendigos e peregrinos.


Leprosos e indivíduos com doenças de pele como acne ou psoríase foram mortos. Em 1349, 2.000 judeus foram assassinados e, em 1351, 60 comunidades judaicas maiores e 150 menores foram massacradas.


A Grande Gripe Espanhola (1918)


A pandemia de gripe de 1918, também conhecida como gripe espanhola, foi registrada como a epidemia mais devastadora da história.


Ela infectou 500 milhões de pessoas em todo o mundo, incluindo pessoas nas remotas Ilhas do Pacífico e no Ártico.O número de mortos foi de 50 a 100 milhões. Aproximadamente 25 milhões dessas mortes ocorreram nas primeiras 25 semanas do surto.


O que foi particularmente impressionante nessa pandemia foi suas vítimas. A maioria dos surtos de gripe matou apenas jovens, idosos ou pessoas que já estavam enfraquecidas. Essa pandemia, no entanto, afetou adultos jovens completamente saudáveis ​​e fortes, deixando crianças e aqueles com sistema imunológico mais fraco ainda vivos.


A pandemia de influenza de 1918 foi a primeira envolvendo o vírus influenza H1N1. Apesar do nome coloquial, ele não se originou da Espanha.


Hospital de emergência durante a gripe espanhola no Kansas. Fonte: Otis Historical Archives.

Tudo começou em fevereiro de 1916. O médico major da primeira classe Carnot observou em Marselha uma "epidemia especial de doença pneumocócica" que "irrompeu entre os trabalhadores com considerável gravidade" .


A taxa de mortalidade chega a 50% nos hospitais que recebem esses recrutas vietnamitas que sofrem de pneumonia. Mas os médicos franceses não estão preocupados: é provavelmente uma doença exótica estranha à raça branca, pensavam eles... e, no meio da guerra, outras preocupações ocupam suas mentes.


O que eles não sabem é que têm diante de si os sintomas que prenunciam a maior pandemia do século. E que o pneumococo (bactéria patogênica) não é de importância colonial. Particularmente virulento, ataca à primeira vista assuntos estranhos ao nosso clima e vivendo em promiscuidade. Mas muito rapidamente, os europeus não foram poupados...


O médico major Trémollières, chefe do setor de Besançon, testemunha:

Durante minhas turnês nas várias localidades do setor, observei a grande proporção de bronquite, contágio pulmonar, pleurisia, broncopneumonia e pneumonia em comparação com outras doenças. Em particular, a pneumonia lobar, franca, aguda, parece estar recuperando frequência; antes da guerra, era muito raro nos hospitais de Paris. Talvez fosse menos no campo. De qualquer forma, vale a pena relatar o número de casos atualmente observado.

Não tão terríveis assim...


Há aqueles que acreditam numa sublime "insensibilidade da Natureza", que "uma das maiores ilusões do homem... é a de acreditar que conseguimos dominar o meio ambiente no planeta em que vivemos", como escreveu Hal Borland no New York Times, em 1960. É quase uma fatalidade pensar assim. Porém, não devemos permanecer na ingenuidade de que a natureza é única e que seus atos são irrevivescíveis, muito distante daquilo que Ed Skidmore, um pesquisador de Erosão Eólica dos Estados Unidos, pensa:


No final das contas, pouco importa o que o homem faz para controlar os elementos; tudo está nas mãos da natureza.

Estamos, por outro lado, sendo mais ágeis e cuidadosos para cada novo episódio que surge. A natureza - como em qualquer época -, é hoje entendível e dialogável - e nesse meio, o vírus da história é forte: para cada novo surto de doença, temos outros incontáveis momentos, suficientes para buscarmos nossa continuidade.

0 visualização

Todas as imagens de livros, filmes, séries, jogos,  ou qualquer criações visual autoral são de seus respectivos proprietários.

Copyright Máquina dos Tempos. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do maquinadostempos.com. Para reproduzir qualquer conteúdo, entre em contato conosco: maquinadostempos@hotmail.com

O Máquina dos Tempos traz para você as histórias que moldaram o mundo através dos tempos. Com compromisso ético e científico, pretendemos fazer a análise e o debate histórico algo divertido e de amplo alcance. Por meio de um canal livre e aberto, entre diversos historiadores e historiadoras do Brasil.

Receba nossas atualizações

Preencha o formulário com seu e-mail e nome e receba e seja notificado sempre que o Máquina dos Tempos lançar novos conteúdos.

SIGA-NOS

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Twitter - Círculo Branco
  • Spotify - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
Logo - Máquina dos Tempos
Logo - Máquina dos Tempos