• Leonardo Kröhling

De imperador a jardineiro e bibliotecário: uma breve história do último imperador da China

O nobre chinês chegou a viver mais de uma década em campos de trabalho forçado


Após a morte do imperador Guangxu em 1908, Henry Pu Yi (1906-1967) ascendeu ao trono chinês com apenas três anos de idade. Nesta época, a China passava por uma sequência de turbulências políticas e desde o Outono de 1911, parte do país já era governado paralelamente pelo republicano Sun Yat-sei, fundador do Kuomitang (partido conservador chinês). No ano seguinte, por conta de uma insurreição republicana conhecida como “Revolução Xinhai”, Pu Yi foi forçado a abdicar, dando um fim à monarquia chinesa e o domínio da dinastia Qing, que governava o país desde 1664.


Retrato de Pu Yi em 1910. (© Wikimedia Commons)

O jovem monarca continuou residindo na Cidade Proibida e manteve o título de imperador com a permissão do novo governo. Em 1917, com a ajuda do general Chang Hsün, se manteve parcialmente no poder por 12 dias. No ano de 1922, Pu Yi foi permitido ter um casamento ao estilo imperial chinês (à luz do luar, carregado por uma liteira, etc.). A mulher escolhida foi Wanrong, uma jovem com costumes ocidentalizados de família nobre da Manchúria. Por ter várias concubinas, o ex-imperador não tinha um vínculo tão grande com Wanrong, e ela, devido a um casamento frustrado onde mesmo não sendo uma imperatriz reinante tinha que agir como tal, acabou caindo num vício profundo de uma mistura de tabaco e ópio.


Pu Yi e Wanrong em Tianjin. (© Wikimedia Commons)

Em 1924, com a intervenção de tropas do Kuomitang, Pu Yi primeiramente se refugiou na embaixada japonesa em Pequim e depois na embaixada localizada em Tientsin (atual Tianjin), na Manchúria. Por conta de ambições imperialistas, a Manchúria foi invadida pelo Japão em 1931 e Pu Yi é colocado como imperador-fantoche, governando a região entre os anos de 1934 e 1945.


Pu Yi como Imperador da Manchúria, década de 1930. (© Wikimedia Commons)

Com a derrota do Japão na Segunda Guerra Mundial em Agosto de 1945, a região é devolvida à China e o antigo imperador é capturado pelos soviéticos, sendo deportado para a Sibéria juntamente com sua família, onde são presos em um gulag. Devido a abstinência de ópio e a má nutrição, Wanrong surtou e faleceu aos 39 anos no ano seguinte (seu corpo nunca foi encontrado). Em 1949, Pu Yi foi entregue aos comunistas que tinham acabado de tomar o poder na China, sendo introduzido a um novo campo de concentração e “reeducação” em Fushun acusado de traição, permanecendo lá até o fim dos anos 1950.


Um militar soviético e Pu Yi, 9 de Agosto de 1946. (© Wikimedia Commons)

Após ser libertado, o ex-imperador foi morar em Pequim e em 1959 começou a trabalhar como jardineiro no jardim botânico da cidade. Depois de alguns anos se tornou bibliotecário da Conferência Consultiva do Povo Chinês. Pu Yi morreu de câncer nos rins em 1967 sem deixar descendentes, passando a chefia da casa imperial ao seu irmão Jin Youzhi (que permaneceu no posto até 2015, quando este faleceu). Atualmente Jin Yuzhang, filho de Jin Youzhi, é o atual herdeiro do trono chinês.


Pu Yi trabalhando como jardineiro no Jardim Botânico de Pequim.

Referências:


https://www.brasildefato.com.br/2017/02/13/ultimo-imperador-da-china-abdica-do-poder

http://edition.cnn.com/ASIANOW/time/magazine/99/0927/gardens.html

https://www.historyofroyalwomen.com/china/taking-look-empress-wanrong/

106 visualizações

Todas as imagens de livros, filmes, séries, jogos,  ou qualquer criações visual autoral são de seus respectivos proprietários.

Copyright Máquina dos Tempos. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do maquinadostempos.com. Para reproduzir qualquer conteúdo, entre em contato conosco: maquinadostempos@hotmail.com

O Máquina dos Tempos traz para você as histórias que moldaram o mundo através dos tempos. Com compromisso ético e científico, pretendemos fazer a análise e o debate histórico algo divertido e de amplo alcance. Por meio de um canal livre e aberto, entre diversos historiadores e historiadoras do Brasil.

Receba nossas atualizações

Preencha o formulário com seu e-mail e nome e receba e seja notificado sempre que o Máquina dos Tempos lançar novos conteúdos.

SIGA-NOS

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Twitter - Círculo Branco
  • Spotify - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
Logo - Máquina dos Tempos
Logo - Máquina dos Tempos