"Brasil" vem de vermelho como brasa?

Atualizado: há 6 dias

A frase que soa como ato convocatório, "nossa bandeira jamais será vermelha", é constantemente reforçada e gera debates intensos nas redes sociais.


A cor vermelha era usada na "pré-história" como representação de fertilidade. Na Idade Média, evocava status de nobreza para aquele que a possuísse. Hoje, é frequentemente associada ao comunismo e ao socialismo. Os embates políticos atuais são motivo para diversos grupos reivindicarem a associação de termos relacionados ao vermelho com nome Brasil.

Jair Bolsonaro discursando no parlatório do Palácio do Planalto, no ato da posse.

No início de 2019, após receber a faixa presidencial de Michel Temer, o presidente Jair Bolsonaro discursou no parlatório do Palácio do Planalto, dizendo que iria libertar o Brasil do "socialismo". No final de sua fala, segurou uma bandeira do Brasil e disse estar disposto a dar seu sangue para que ela não vire "vermelha".


— Essa é a nossa bandeira, que jamais será vermelha. Só será vermelha se for preciso nosso sangue para mantê-la verde e amarela. (Jair Bolsonaro).

Há tempos alguns grupos replicam as mesmas palavras pronunciadas pelo atual presidente. O temor, por parte desses grupos, é de que o símbolo visual que representa o Estado brasileiro se torne vermelho - fazendo alusão as bandeiras de inúmeros países que adotaram o regime comunista (como China e Angola).


Todavia, o debate em torno da cor vermelha e sua associação ao Brasil não se encerra por aí. Diante da convocatória "nossa bandeira jamais será vermelha", sempre aparecem pessoas alegando que nosso país é marcado pela cor vermelha, pois a ela remete o nome da pátria.


Essa polêmica chamou atenção de nosso agente especial, MarcBot, que imediatamente decidiu fazer algumas considerações sobre o nome "Brasil".


Narrativa 1: Brasil em Tupi-Guarani significa vermelho como brasa


Na primeira narrativa recolhida pela agência Detecta, observamos um esquema rápido que faz referências sucintas a uma suposta origem etimológica para a palavra "Brasil" na família linguística tupi-guarani.

Print do Facebook.

Porém, ao consultarmos o “Dicionário Ilustrado Tupi Guarani”, não encontramos nenhuma relação do Brasil ser derivado de "vermelho como brasa".


O Dicionário Ilustrado Tupi Guarani nasceu como um blog e têm como objetivo pesquisar e divulgar a origem de palavras que usamos cotidianamente e que são herança dos nossos povos nativos. Uma proposta que intenção é mostrar a todos, índios e não índios, essa cultura nativa, que é parte importante de nossa base cultural e que tem muito ainda a nos acrescentar de conhecimentos sobre nós mesmos e nosso meio ambiente.

Ao nos aprofundarmos nos termos que se relacionam ao vermelho e pau-brasil, outras palavras designam a representação da suposta assertiva "vermelho como brasa" ou "madeira vermelha" tal como o topônimo grapuetã (árvore, madeira vermelha). O pau-brasil seria conhecido, na língua Tupi Guarani, como grapuitã, mas também como ibirapiranga, ibirapitá, ibirapitanga, orabutã, todos derivados dos termos tupis ïbi'rá ("pau") epi'tãga ("vermelho").

Print de uma publicação da página "Fatos Desconhecidos".

Conclusão: LOROTA!


Segundo estudiosos, "brasil" não é de origem tupi-guarani, mas deriva do francês brésil, com traços do toscano verzino (nome da madeira utilizada na tinturaria na Itália), e do latim brasile.


Narrativa 2: Brasil remete ao tom do vermelho do Pau-brasil


Na escola, aprendemos que somos “brasileiros” devido ao nome da árvore que se chama pau-brasil, do qual deriva o próprio nome do país. Além disso, a exploração do pau-brasil é muito conhecida como componente importante na história do Brasil. Quase todo brasileiro sabe “contar” que, além de dar seu nome ao país, o pau-brasil foi o “primeiro produto de interesse dos portugueses”.


Sabemos também que tinturas vermelhas produzidas a partir de árvores já eram bastante comuns ao redor do mundo. Como vimos na conclusão anterior: o termo “brasil”, portanto, já existia nesse contexto, vindo do francês brésil – usado para tinturas vermelhas com cor de brasa (que por sua vez vem do latim brasile).


Em nossa segunda narrativa, observamos um amálgama dessas exemplificações que aprendemos mais usualmente na escola e em rápidas pesquisas na internet.


Print do Twitter.

São vários os autores que trazem para os debates historiográficos a relação etimológica entre "Brasil" e o "Pau-brasil". Um dos primeiros estudos que teve objetivo de analisar a etimologia de “brasil” foi lançado em 1939, pelo professor Antônio Leôncio Pereira Ferraz, com o título Terra da Ibirapitanga. Nesse trabalho, escrito para o Instituto PanAmericano de Geografia e História, ele apresenta tese sobre o nome “brasil”. Procura indicar, por meio da documentação, o uso do termo nos seus primórdios e analisa os vários nomes dados a árvore.


Assim, para resgatar as origens da palavra “brasil”, o professor Ferraz fala do comércio de tinturaria antes mesmo do século XVI, quando o brasil asiático (caesalpina sappan) aparece nas exportações para a Europa. Também procura delinear como o nome foi sendo utilizado para denominar as terras portuguesas no Novo Mundo e a importância que teve para o comércio até o século XIX.


É quase que um caminho a ser seguido por entre aqueles que se encarreguem do assunto: Roberto Cochrane Simonsen (1938), José Bernardino de Souza (1939), Gilberto Freyre (1937) e outros mais recentes: Eduardo Bueno (2002), Ricardo Maranhão (2016). Não há quem arrisque sair da métrica de que o nome é proveniente da árvore pau-brasil, chamado assim por causa de sua cor vermelha, que lembrava brasas de fogo.


Todos fomos influenciados pelo fato de que, desde a época colonial, os cronistas João de Barros, Frei Vicente do Salvador e Pero de Magalhães Gandavo já apresentavam explicações concordantes acerca da origem do nome "Brasil". De acordo com eles, o nome "Brasil" deriva de "pau-brasil", a designação de um tipo de madeira empregada na tinturaria de tecidos.


A partir daí surgem outros assuntos, tais como a proteção de dados e registros sobre o que se encontrava nas terras D'Além mar. Algo que as redes de contatos e troca de informações não tardaram em espalhar foi que alguns navegadores haviam encontrado a "ilha Brasil" (ou "terra do pau-brasil", "terra do brasil" etc.) no meio do Atlântico, ou seja, de onde extraíam o pau-brasil.


Essa teoria, até o momento, é a mais aceita e ensinada nas escolas brasileiras - porém, não dispensa que outras possam surgir.

Pau-brasil (Paubrasilia echinata – antiga Caesalpinia echinata). Corte ligeiramente vertical no tronco.

Enfim, para um olho atento, não é surpresa que o cerne tem cor de brasa, donde possivelmente se originou o nome de nosso país; Essa coloração se dá devido à oxidação da brasilina, produto natural isolado de Paubrasilia echinata, que se transforma em brasileina, responsável pela cor vermelha do Pau-brasil - que, de fato, lembra brasas.


Conclusão: HÁ EVIDÊNCIAS!


Esta é a hipótese mais aceita, ou seja, de que o batismo do país tenha a ver com o pau-brasil. Mas, em último caso, é importante que se ressalte que a nomeação "brasil" ao pedaço de terra que hoje compreendemos como este país, refletia a importância econômica da árvore e não uma sensibilidade ‘ambientalista'. Isto é, o que a adoção do nome nos mostra é uma clara indicação do desejo europeu de explorar lucrativamente a abundância natural da América. Alguns historiadores, a exemplo de José Augusto Pádua e José Augusto Drummond, já fizeram afirmações nesse sentido.


Narrativa 3: Brasil deriva de uma lenda celta, baseada na ilha de Hy-Brazil


Já sabemos que é recorrente a associação da palavra "brasil" à cor vermelha. Alguns linguistas, porém, não atestam essa relação, já que existem ocorrências do termo “brazil” (lenda celta da ilha de Hy-Brazil) ou patronímicos como “Brasil” e “Brasile” (de origem árabe, estabelecidos na península Ibérica) bem anteriores à viagem de Cabral. Como dizem: "se existe a ocorrência, paira a dúvida", mesmo que a correlação com o pau-brasil seja a mais divulgada e amplamente aceita.


Há uma lenda entre os celtas a respeito de uma ilha no meio do oceano que pegava fogo constantemente. O nome dessa ilha seria Brazil. Documentos do século XIV indicam a existência dessa ilha no Atlântico, a oeste dos Açores, porém a localização exata variava entre galegos e germânicos. O nome Brazil deu origem ao sobrenome de uma família na Idade Média, ainda hoje presente na Irlanda e também em Portugal.


Essa ilha misteriosa, que começou a ser colocada nos mapas muito tempo antes dos portugueses chegarem a esta parte da América, foi marcada por inúmeras cartas cartográficas (a posição e as dimensões da ilha variam de carta para carta). O cartógrafo genovês Angelino Dalorto marcou a ilha a oeste da Irlanda. Depois disso, diversos cartógrafos seguiram o exemplo do genovês e fizeram o mesmo.

O relato mais famoso sobre uma viagem ao local foi o do capitão irlandês John Nisbet. Segundo ele, seu navio estava navegando próximo à costa irlandesa e, de repente, uma neblina se formou. Assim que ela desapareceu, os tripulantes perceberam que o barco estava já muito próximo das rochas. Eles ancoraram e, em seguida, quatro membros da tripulação foram visitar a ilha.


Um dia após a partida, os visitantes voltaram ao navio com ouro e prata. Assim que o navio retornou para a costa irlandesa, outro foi mandado para Hy-Brasil, que também conseguiu encontrar o local. Além dessa, dezenas de outras histórias foram contadas sobre o lugar que nunca mais pôde ser comprovado.

Apesar de estudos mostrarem que já pôde ter existido terra firme naquele local, levando em conta indícios como a presença de algumas conchas e o relevo do fundo do mar até no norte da Irlanda, a tal ilha Hy-Brasil nunca mais foi avistada. Mesmo hoje com o monitoramento por satélite.


A inexistência da comprovação de que exista (ou tenha existido) tal ilha não impossibilita que alguns estudiosos apontem essa lenda como a origem do nome do nosso país. É o caso do filólogo Adelino José da Silva Azevedo, que postulou tratar-se "brasil" de uma palavra de procedência celta (Hy-Brasil, uma lenda que fala de uma "terra de delícias", vista entre nuvens). Advertiu também que as origens mais remotas do termo poderiam ser encontradas na língua dos antigos fenícios.

Hy-Brasil começou a aparecer nos mapas em 1325. Fonte da imagem: Reprodução/Munsterfans.

As ligações dessa ilha mítica e o nome "Brasil" vão para além do horizonte irlandês. Parece resultar dos contatos comerciais estabelecidos entre fenícios, gregos e celtas a partir do século VI a.C., através dos quais os celtas importavam brazil, ou seja, o vermelhão de cinábrio, provavelmente de origem ibérica, através de mercadores que vinham por mar desde terras distantes.


Por essa época, o celtismo brakino e o ítalo-celta verzino suplantaram respectivamente o grego kínnabar e o germânico zinnober, todos com sentido afim, como nome daquele mineral.


A origem da palavra gaélica O'Brazil é o celta Hy Breasil, que significa descendentes do vermelho, ou, os do vermelho, onde o s é igual ao z (de onde Hy Breazil), do celta breasil, breazil para vermelho.


Nesse contexto, o vocábulo O'Brazil, os do vermelho, passou a constituir uma referência aos gregos e fenícios, os quais ao deixarem de comerciar o cinábrio com os celtas como que desapareceram nas brumas do Atlântico, tornando-se um povo mítico e afortunado, que nunca voltou à Irlanda, porque vivia feliz na misteriosa e paradisíaca ilha do Brazil. Esta ilha do Brazil foi depois incorporada no contexto mais vasto das ilhas míticas.


Conclusão: DEBATE ABERTO!


A narrativa 3 não invalida a narrativa 2, ou vice-versa. Na história, não há uma progressão teórica. As diversas teorias coexistem, e, muitas vezes, se complementam, se justificam etc. Talvez, a relação entre pau-brasil e breazil seja mais próxima que o "Brasil" do Hy-Brazil. É certo afirmar que, o poder do vermelho seja outros que desconhecemos. Pois, além de tingir panos, serviu também para unir povos, culturas e costumes, e diversificar línguas.


No geral, as narrativas sobre a origem do nome "Brasil" estão em aberto. Contudo, algumas delas são mais aceitas que outras, umas são mais debatidas em detrimento de outras, e no Brasil - atualmente - não são muitos os historiadores que se dedicam nos esforços de desvendar as relações do nome do país com o pau-brasil, e, principalmente, com lendas celtas. Hy-Brasil para o nosso "Brasil" é uma lacuna linguística que a nível de curiosidade pode ser um campo para futuras pesquisas científicas.


Pesquisa e redação: Éverton Aragão.

0 visualização

Todas as imagens de livros, filmes, séries, jogos,  ou qualquer criações visual autoral são de seus respectivos proprietários.

Copyright Máquina dos Tempos. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do maquinadostempos.com. Para reproduzir qualquer conteúdo, entre em contato conosco: maquinadostempos@hotmail.com

O Máquina dos Tempos traz para você as histórias que moldaram o mundo através dos tempos. Com compromisso ético e científico, pretendemos fazer a análise e o debate histórico algo divertido e de amplo alcance. Por meio de um canal livre e aberto, entre diversos historiadores e historiadoras do Brasil.

Receba nossas atualizações

Preencha o formulário com seu e-mail e nome e receba e seja notificado sempre que o Máquina dos Tempos lançar novos conteúdos.

SIGA-NOS

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Twitter - Círculo Branco
  • Spotify - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
Logo - Máquina dos Tempos
Logo - Máquina dos Tempos